Rapaz hindu de 23 anos continua aprisionado em corpo de bebé

Esta é a história de Manpreet Singh, fruto de uma gravidez incomum de 10 meses e meio, que nasceu no ano de 1995, em Mansa, na Índia.

Depois de nascer, ninguém suspeitava que Manpreet fosse diferente das outras crianças. O menino de cabelo escuro era adorável e tudo corria bem.

Porém, quando chegou aos 6 meses, o menino parou de crescer, e passados 23 anos, continua com 58cm e 7kg.

Com 23 anos, Manpreet continua preso num corpo de bebé. Os médicos têm a suspeita que ele sofra de síndrome de Laron, um defeito congénito raro que provoca resistência às hormonas do crescimento.

Até hoje, Manpreet nunca conseguiu falar, andar, ou sentar-se sem ajuda, pelo que o tio e o seu marido, que o criaram, o carregam nos braços para todo o lado.

“Manpreet ri como um bebé e quase nunca fica triste. Ele aprendeu a comunicar com gestos e cumprimenta os convidados a abanar as mãos, pedindo que se sentem”, conta o tio Karanvir e a tia Lakhwinder.

Manpreet, cujo rosto têm uma aparência jovem e velha simultaneamente, recebe sempre os convidados. Os devotos hindus da sua aldeia acreditam que ele é a reencarnação de um deus e querem sempre tirar fotografias com ele e receber a sua bênção.

A família não tem dinheiro para consultar um médico especialista, mas têm a esperança de conseguir reunir doações suficientes para o conseguir.

Infelizmente, é certo que Manpreet vai continuar a sofrer de síndrome de Laron, pois até aos dias de hoje não foi encontrada nenhuma cura.

Apesar de tudo, o defeito congénito não afeta a expectativa de vida dos seus doentes, pelo que Manpreet poderá chegar a uma idade avançada no corpo de um bebé.

“Nós aceitamos o destino dele. Estamos felizes por o ter connosco. A sua serenidade encanta todos, e nós amamos este pequeno acima de tudo”, disse a prima mais nova.

Com apenas 58cm de altura, Manpreet está na lista dos homens mais baixos do mundo, mas a sua alegria de viver é verdadeiramente inspiradora para todos.

Veja o vídeo e PARTILHE!

24 vezes que as pessoas elevaram as esculturas de areia a um outro nível

Adolescente nervoso chora após cantar “Hallelujah”, sem fazer ideia que um jurado está prestes a carregar no botão dourado