in

Não obrigue as crianças a beijar os adultos: elas têm o direito de decidir com quem se relacionar

Todas as demonstrações de afeto devem ser voluntárias e espontâneas, e não determinadas por imposições e pressão.

Embora pareça um conceito básico, muitas pessoas ignoram isso quando se trata de crianças, mas a verdade é que por mais jovens que sejam, devem poder escolher com quem querem relacionar-se.

Segundo psicólogos especialistas, existem riscos associados a tentar forçar uma criança a beijar alguém ou fazer algo do género, que não seja sua iniciativa.

Muitos pais tentam fazer os filhos cumprimentar familiares ou conhecidos, pressionando-os mesmo quando percebem que as crianças não o querem.

Aqui, a questão não é superar a timidez ou falta de sociabilidade – é essencial respeitar a capacidade da criança de escolher em quem deposita confiança e oferece intimidade física. Logo, forçar as crianças a demonstrar afeto contra a vontade delas, pode ser considerado uma violação do seu espaço.

Em alguns casos, esse comportamento pode mesmo influenciar de forma negativa o desenvolvimento emocional das crianças, tornando-as mais vulneráveis. Como? Depois de aprenderem, através dos pais, que por vezes têm de se submeter à vontade dos outros, podem acabar por se sujeitar futuramente a abusos sexuais, oferecendo menos resistência do que fariam caso tivessem crescido com outros hábitos.

Pode até parecer exagerado, mas é importante ajudar os mais pequenos a proteger o corpo e mostrar-lhe que há formas de ser educado que não envolvem tanto contacto físico como um abraço ou um beijo, por exemplo através de um aperto de mão.

PARTILHE!

Sem conhecimento do treinador, este é gravado a fazer um rabo-de-cavalo a uma menina. Ao ver o vídeo, a mãe pronuncia-se

12 regras de boa educação que já não usamos