in

Soldado tem medo que o cão-polícia não o reconheça passados 3 anos. De repente, vê o animal lançar-se pelo portão

O especialista do Exército dos EUA, Vance McFarland, passou muito tempo no Afeganistão a detetar dispositivos explosivos com a ajuda de um cão de raça pastor checo, chamado Ikar. O soldado de quatro patas foi treinado como um cão tático de deteção de explosivos, e até o McFarland admitiu que ter um cão com ele na implantação era “quase como ter um pouco de casa”.

Quando essa fase terminou, McFarland e Ikar saíram alegremente do avião em Ft. Bragg, tiraram uma fotografia e Ikar foi levado para ser integrado novamente no programa de treinamento. Porém, o pobre Ikar foi submetido a algo muito diferente…

Não havia necessidade imediata dos serviços de Ikar, por isso ele teria de ficar no canil durante algumas semanas. Em vez disso, o pobre cão ficou no abrigo durante 17 longos e miseráveis ​​meses. Quando a organização K9 Rescue ficou a saber do caso de Ikar, não conseguiram ficar indiferentes.

Kristen Maurer, a presidente da organização, trabalhou arduamente para libertar Ikar e alguns outros cães que tinham sido deixados de lado. Esses cães sacrificaram as suas vidas e foram considerados heróis, mas não estavam a ser tratados como tal.

Enquanto lutava para trazer Ikar e os outros cães para casa, Kristen fez de tudo para encontrar os seus treinadores originais. Certo dia, McFarland acordou para descobrir uma infinidade de mensagens do Facebook de pessoas que queriam saber se ele e Ikar tinham trabalhado juntos. Ele ficou esmagado ao saber o que tinha acontecido com o seu amigo, o seu salva-vidas, o seu melhor amigo.

Finalmente, a organização K9 Rescue conseguiu enviar Ikar e outros para casa, e McFarland comentou que Ikar podia não se lembrar dele. Porém, assim que os dois puseram os olhos um no outro no aeroporto, os seus medos desapareceram.

Veja esta incrível reunião no vídeo abaixo e descubra o que o futuro reserva a Ikar.

PARTILHE!

Carta de uma mãe alentejana (a melhor de sempre)

Os nossos corpos reagem quando andamos descalços, estudo recente confirma