in

Em 1850, uma tempestade expôs a entrada de um lugar com 5.000 anos de idade

O mundo nunca teria imaginado que a história da Escócia mudaria para sempre graças a uma forte tempestade na Baía de Skaill, nas Ilhas Orkney, durante o inverno de 1850, que deixou um presente para os escoceses.

Quando a tempestade diminuiu, os sobreviventes descobriram que esta tinha desenterrado o contorno de uma aldeia. Isso mesmo, a tempestade foi tão forte que até levantou grandes massas de terra, revelando um pedaço da história tão incrivelmente intacto que muitos começaram a chamar o lugar de “A Pompeia Escocesa”, embora o seu nome real seja Skara Brae.

Depois disso, os habitantes de Skaill começaram a cavar naquele assentamento subterrâneo. Eles conseguiram desenterrar quatro casas completas antes de deixar o trabalho em 1868. Ninguém voltou a tocar no local até 1913, quando um grupo de salteadores invadiu a área para roubar uma miríade de engenhocas.

Foi só em 1924, quando uma tempestade atingiu a área novamente destruindo parte de uma das casas de Skara Brae, que o governo escocês decidiu tomar medidas sobre o assunto.

Se olhar para a conservação das paredes, pode facilmente pensar que estas têm, no máximo, algumas centenas de anos…

Porém, mesmo que não acredite, Skara Brae tem mais de 5.000 anos, o que significa que é mais antigo que Stonehenge e as Pirâmides de Gizé.

Na verdade, é a aldeia neolítica mais bem preservada do norte da Europa e oferece-nos uma janela única sobre a vida dos agricultores que viveram lá entre 3200 e 2500 aC.

A notável sobrevivência de Skara Brae por tantos anos deve-se ao design dos construtores originais, que enterraram as paredes de pedra fortes e resistentes no subsolo do telhado, a fim de fornecer o melhor isolamento possível contra o poder dos elementos.

Há 9 casas do mesmo tamanho – cerca de 40 m2 – com o mesmo tipo de piso e uma sala quadrada com uma lareira no centro, que era usada para cozinhar alimentos e para aquecer.

Dentro de cada uma das casas, podemos encontrar diferentes elementos de móveis de pedra: bancos, compartimentos que parecem ser camas e áreas de armazenamento.

Para além disso, estas fascinantes casas neolíticas tinham fechaduras, além de um sistema de drenagem rudimentar, que poderia perfeitamente ser a primeira versão de uma casa de banho.

A razão que moveu essas pessoas a instalar-se em um lugar tão remoto não é conhecida, mas sabemos que permaneceram lá por 600 anos. O local foi abandonado da noite para o dia, e alguns acreditam isso se deveu a um clima de agravamento e perigo.

Hoje, Skara Brae é Património da Humanidade e um lugar com uma riqueza histórica sem precedentes que nos ajuda a entender como estas pessoas viveram há 5.000 anos. Se alguma vez visitar a Escócia, não perca a oportunidade de ver esta maravilha arqueológica por si mesmo.

PARTILHE!

Este simples teste vai determinar se você é introvertido de verdade

Dois Golden Retrievers ajudam donos com as compras