in ,

Manada de elefantes comparece ao funeral do seu tratador

O autor e conservacionista Lawrence Anthony, que morreu no dia 7 de março de 2012, cuidou de muitos elefantes com comportamentos agressivos que certamente os levariam à morte.

Três dias depois de Lawrence falecer, duas manadas diferentes de elefantes selvagens, que em tempos foram tratadas por ele na reserva de caça Thula Thula, na África do Sul, marcharam até sua casa. Silenciosamente, mantiveram uma vigília pelo seu amado amigo durante dois dias, antes de regressar à selva.

De acordo com a esposa de Lawrence, Françoise Malby-Anthony, os elefantes, seus amigos devotos, voltam todos os anos desde a sua morte, no mesmo dia (7 de março).

Segundo o filho Dylan, ambas as manadas chegaram ao complexo da família logo após a morte de Lawrence, como que a homenageá-lo.

“Eles não visitavam a casa há 1 ano e meio e devem ter levado cerca de 12 horas a fazer a viagem. A primeira manada chegou no domingo, e o segundo um dia depois. Todos ficaram cerca de dois dias antes de voltarem para o habitat deles”, conta Dylan.

Lawrence nunca teve planos para elefantes na reserva Thula Thula, mas em 1999 foi contactado e convidado para trabalhar com uma manada de elefantes “problemáticos”, que tinham escapado de todos os sítios em que tinham sido colocados e estavam prestes a ser abatidos.

Felizmente, a intervenção de Lawrence foi bem-sucedida, e os elefantes foram assim salvos de um destino trágico.

Apesar da grande perda de Lawrence, o andamento do seu trabalho em Thula Thula continua – a esposa está a expandir a reserva, para dar mais espaço aos animais e ajudar a impulsionar a economia local.

O cerne do trabalho de Anthony pode ser resumido numa frase que ele escreveu: “Até que permitamos não só aos elefantes, mas a todas as criaturas vivas o seu lugar ao sol, nunca poderemos ser completos”.

Entrevista durante prova de enduro não termina bem para a repórter

Pai derrete-se de orgulho por filha com síndrome de Down se ter formado na faculdade